quarta-feira, 29 de julho de 2009

O PALACETE ARGENTINA



O PALACETE ARGENTINA,

sede da 12ª Superintendência Regional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan

O Palacete Argentina foi erguido em 1901, com projeto de Theóphilo Borges de Barros. O palacete caracteriza-se por ser um sofisticado sobrado urbano, representativo da arquitetura eclética que se desenvolveu em Porto Alegre na virada do século XX. Integra um conjunto de edificações que existiam ao longo da Avenida Independência, no bairro de mesmo nome, em Porto Alegre, das quais ainda restam poucos exemplares. Ele possui uma área de 756 metros quadrados em um terreno com 934 metros quadrados. Com um pavimento principal e porão alto, o acesso é feito por uma escadaria lateral. Originalmente, possuía paredes pintadas com motivos geométricos e motivos florais, executados com cores fortes e barras decorativas junto ao forro, com destaque para os vitrais art nouveau, art déco e elementos trabalhados em madeira. Pouco depois, de concluído o trabalho a casa foi vendida para Franklin Etzenberger.
Em 1928, o prédio passou por uma reforma significativa na qual mais duas salas foram acrescentadas: uma sala de chá e um jardim de inverno, bem como dependências de serviço no pavimento inferior. As paredes suprimidas deram lugar a arcos sustentados por colunas salomônicas. Alguns anos depois, o casal Etzenberger cedeu a casa a sua filha Manoelita Lilia Etzenberger que casou com Alceu Otacílio Barbedo.
Em 1939, o imóvel foi doado aos filhos do casal Barbedo: Roberto e Sandra Beatriz. No ano seguinte, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul alugou o prédio e instalou o Grupo Escolar Argentina. Em 1968, o casarão foi declarado de utilidade pública e, em 1971, foi desapropriado pelo Estado.
O prédio foi utilizado como escola até 1978 e foi cedido, em 1984, em regime de comodato, ao Iphan. Em 14 de março de 1990, o imóvel foi inscrito no Livro Tombo de Belas Artes do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

7 comentários:

  1. Esse post já tá aqui há mais de um ano e agora que, vasculhando a internet como sempre, acabei vendo..hehe
    A época de ouro da minha vida escolar foi no Grupo Escolar Argentina.. Tenho ótimas lembranças desse tempo..
    Parabéns! Muito bom material pra pesquisa..
    Aliás, estou pesquisando pra ver se reencontro colegas de lá, do período de 74 a 78.
    Abraços!
    Anderson Carvalho (mrbitrs@gmail.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tambem estudei la.
      Minhas lembranças e saudades soa grandes.
      Lembro da Maria João, do Cesar e Ricardo, filhos de professoras da epoca.
      Marcos Miszewski

      Excluir
  2. Fui aluno do Grupo Escolar Argentina entre os anos de 1962 e 1966, foram os anos dourados da minha infância. A diretora era a Dna Nadir Isehard, mãe do meu grande colega Paulo Isehard. Minha primeira professora, Dna ivete, a do 2º ano Dna Neli, a do 3º Dna Emi Ferreira, do 4º ano Dna Vera Regina e do 5º ano Dna Gleci. Lembro-me de muitos colegas. Alem do Paulo, me lembro do Icaro, do João Carlos, do Sergio, do Luis Paulo, do Pedro, da Mariza, Maria Luiza, Gladis, Suzana, Tâmara, Juarez, Domingos, Henrique, Roberto, Renato. Meu nome é Eduardo Figueiredo e resido hoje em Criciúma, Santa Catarina.

    ResponderExcluir
  3. Fui aluno do Grupo Escolar Argentina entre 1968 a 1970. Alguns colegas que recordo nome: Isabel Kowalski, Maria Luiza, Barbara, Cristina, Denise (desenhista), Karine (filha da prof de Ed. Fisica), Andre (hoje veterinario), Mauro, Luis Felipe Moreira, Tancredo.

    Se seu nome estiver na lista, manda email.

    Antonio Carlos Schuck ( thepilotusa@yahoo.com)

    ResponderExcluir
  4. Fui aluna em 1978, morava do lado aonde hj e o banco do Brasil e um edifício atrás, não lembro muito das pessoas mas lembro q adorava estudar ali.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estudei ali de 76 a 79
      to procurando mais colegas da época. participaste de alguma peça?

      Excluir
  5. Que saudades! Era uma escola linda!
    Fui aluna entre1967 e 1970 ! Morava no prédio ao lado que abrigava o famoso restaurante da Tia Dulce que acolhia os boêmios em fim de noite com uma sopa de cebola!
    Lembro de vários colegas - Eliana e Rozana, Saulo, Que moravam na Rua Santo Antônio; Juarez, Otacílio, Jairo não lembro em que serie estudamos juntos.
    O prédio era lindo e acolhedor.

    ResponderExcluir